quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

A Fórmula de Deus, de José Rodrigues dos Santos

Sinopse: Nas escadarias do Museu Egípcio em pleno Cairo, Tomás Noronha é abordado por uma desconhecida. Chama-se Ariana Pakravan, é iraniana e traz consigo a cópia de um documento inédito, um velho manuscrito com um estranho título e um poema enigmático. O inesperado encontro lança Tomás numa empolgante aventura, colocando-o na rota da crise nuclear com o Irão e da mais importante descoberta jamais efectuada por Albert Einstein, um achado que o conduz ao maior de todos os mistérios: a prova científica da existência de Deus. Uma história de amor, uma intriga de traição, uma perseguição implacável, uma busca espiritual que nos leva à mais espantosa revelação mística de todos os tempos. Baseada nas últimas e mais avançadas descobertas científicas nos campos da física, da cosmologia e da matemática, A Fórmula de Deus transporta-nos numa surpreendente viagem até às origens do tempo, à essência do universo e o sentido da vida.


Sem dúvida, uma obra surpreendente. Principalmente para pessoas a quem a questão da existência ou não de Deus não é indiferente. É um romance rico em conteúdos da física, matemática, alguma religião e uma pitada de romance. Através da personagem de Tomás Noronha, José Rodrigues dos Santos facilita a compreensão dos teoremas físicos e matemáticos que se afiguram ao longo da história, uma vez que este pensa como muitos de nós, leigos perante estas matérias.
Este livro deixou-me a pensar na possível veracidade da existência de Deus, uma vez que são descritas demasiadas coincidências que nos levam a acreditar que talvez a Bíblia encerre muitos factos científicos por trás das suas metáforas. Não um Deus como é caracterizado directamente na Bíblia, envolto em compaixão e protecção, mas sim como algo que está em tudo o que nos rodeia.
Algo que também me deixou a pensar foi no facto de ser afirmado, ao longo da obra, que tudo está predeterminado desde o início do universo (o Big Bang): o passado, o presente e o futuro de cada um, e também como será o futuro do próprio universo.

Recomendo, sem dúvida alguma, até porque a forma como está escrita a história faz com que o final de cada capítulo nos leve a ler sempre o próximo, deixando-nos completamente viciados. Não há momento algum em que a história se torne enfadonha, a meu ver.


Ana

1 comentário:

katy disse...

Olá Ana! Mais uma leitura partilhada! Confesso que foi um livro que me surpreendeu pelas teorias bem encaixadas entre si, e me desiludiu pelo romance fraco com personagens sem conteúdo. Vale pelas teorias. A estória em si achei muito aborrecida..