terça-feira, 23 de junho de 2009

Fim

Agora já de férias, aproveitamos para "encerrar" o blog do Projecto /Lê/. Entre aspas porque o blog, como é óbvio, não será eliminado. Ficará aqui para que todos se lembrem de nós, do que foi o Projecto /Lê/, para que nós possamos recordar também aquele que foi o projecto das nossas vidas.
Aproveitamos para dar também a notícia de que o nosso principal objectivo foi cumprido: os quatro elementos do grupo obtiveram 20 valores em Área de Projecto.
O blog foi apenas uma pequena parte desses 20 valores, mas procurámos sempre mantê-los dentro de todas as actividades que fazíamos.
Agradecemos, desde já, a todos os visitantes, não só pela visita, mas principalmente pelos comentários de incentivo.
A todos, o nosso muito obrigado.
E foi assim que terminou o Projecto /Lê/.
Ana Aragão
Andreia Sebastião
João Pereira
Margarida Pires

quarta-feira, 3 de junho de 2009

APRESENTAÇÃO FINAL


A apresentação final foi sempre rodeada de grandes expectativas, não só pela Prof. Dília Fournigault, mas também pelas pessoas que colaboraram connosco, e, principalmente, por nós.

Desde o início do ano, e até um pouco pelas apresentações que vimos no ano passado, sempre idealizámos uma apresentação muito formal, com a mesa comprida, o ramo de flores, as garrafas de água e os convidados especiais, e à medida que o projecto foi crescendo foram também surgindo novas ideias.

A partir do final do 2º Período começámos a contactar escritores como José Luís Peixoto, José Rodrigues dos Santos ou Tiago Rebelo, recebendo sempre resposta negativa. Tivemos a nossa maior esperança no escritor e apresentador de televisão Mário Augusto, o qual se mostrou bastante acessível. Contudo, a sua vinda também não foi possível. Em último caso, recorremos a um escritor não com tanta projecção, mas não com menos valor, até porque era uma pessoa da nossa região, mais propriamente de Ourique. Esse valor foi demonstrado pelo Prof. Vítor Encarnação, que provou ter o dom da palavra, abrindo-se a nós e ao nosso público, contando toda a sua experiência de vida, não só como escritor e professor, mas também como pessoa, o que nos impressionou pela positiva. Acabou até por nos oferecer e autografar alguns livros seus.

Contámos também com a presença da Dra. Cristina Galvão, do projecto “Ler + dá saúde”, do Plano Nacional de Leitura, presença essa que planeámos desde início pela facilidade que havia em contactá-la. A Dra. Cristina mostrou-se igualmente interactiva connosco e com o público, trazendo vários livros para crianças, de modo a mostrar da melhor forma aquilo com que trabalhava e confirmando as nossas pesquisas acerca dos benefícios da leitura, acabando mesmo por nos felicitar pela excelente apresentação, tal como o Prof. Vítor.

A decoração do Centro de Inovação e Aprendizagem consistiu não só na mesa para os convidados, tal como tínhamos imaginado inicialmente, mas também numa exposição com todos os cartazes e material que utilizámos ao longo do ano nas várias actividades e numa edição fictícia do livro “Ler é desbravar florestas de letras”, onde utilizámos a capa do nosso portefólio, proporcionando assim às pessoas uma ficção da edição de um livro. Além disso, a enfermeira Emília Palma, mãe da Andreia, ofereceu-se, gentilmente, para pintar um quadro com a capa do livro, o que fez com que a edição desse se aproximasse ainda mais da realidade.

Foi um dia que exigiu uma grande disponibilidade de todos, uma vez que tivemos que fazer não só a apresentação em power point, elaborada pelo João com a ajuda dos restantes elementos, mas também a exposição, os livros fictícios, os livros que entregámos, assim como toda a decoração da sala.

Ainda assim, depois de todos os elogios que recebemos, depois de todas as palmas que ouvimos das pessoas que estiveram presentes na apresentação e depois das felicitações por parte dos professores, dos convidados, dos colegas e de outros alunos, todo esse trabalho e tempo dispensado para o projecto e para a apresentação foi transformado numa felicidade imensa e num grande sentimento de objectivo cumprido.

E foi assim que terminou o Projecto /Lê/.



Aproveitamos para agradecer a amabilidade da Prof. Sandra Costa relativamente às palavras proferidas no blog BibliotecaPortaberta.












quarta-feira, 20 de maio de 2009

"O Rapaz do Pijama às Riscas", de John Boyne

Sinopse: Ao regressar da escola um dia, Bruno constata que as suas coisas estão a ser empacotadas. O seu pai tinha sido promovido no trabalho e toda a família tem de deixar a luxuosa casa onde vivia e mudar-se para outra cidade, onde Bruno não encontra ninguém com quem brincar nem nada para fazer. Pior do que isso, a nova casa é delimitada por uma vedação de arame que se estende a perder de vista e que o isola das pessoas que ele consegue ver, através da janela, do outro lado da vedação, as quais, curiosamente, usam todas um pijama às riscas. Como Bruno adora fazer explorações, certo dia, desobedecendo às ordens expressas do pai, resolve investigar até onde vai a vedação. É então que encontra um rapazinho mais ou menos da sua idade, vestido com o pijama às riscas que ele já tinha observado, e que em breve se torna o seu melhor amigo…



Foi um livro surpreendente! Penso que é uma óptima maneira (uma maneira mais suave) de ver o horror que foi o Holocausto e como funcionavam os campos de concentração. É, e muito bem, dirigido aos alunos de 7º, 8º e 9º ano, pelo Plano Nacional de Leitura, e além de ser extremamente bom para que estas crianças percebam como foi esse lado da história mundial, é bom para qualquer pessoa.




Sinceramente, estava longe de imaginar que o livro terminasse como terminou. Bruno visitava frequentemente Shmuel, mas sempre separados pela vedação. Bruno fez várias perguntas acerca do pijama às riscas que todos usavam do outro lado da vedação, assim como acerca do que acontecia daquele lado. Quando soube que ia voltar para a sua casa em Berlim, Bruno, juntamente com Shmuel, preparou uma despedida especial que se resumia a conhecer o outro lado da vedação. No entanto, essa visita acabou de uma forma catastrófica. Por acaso, naquele dia, Bruno, misturado com os outros judeus, foi levado para uma câmara de gás e morreu lá dentro com Shmuel, dizendo que este era o seu novo melhor amigo.




Apesar de saber como funcionavam os campos de concentração, esta história acabou por me impressionar e fiquei um pouco pensativa em relação ao assunto, ao sofrimento pelo qual várias pessoas passaram.






Ana

Livro da Semana: "A Casa dos Espíritos", de Isabel Allende

O relato da vida de Esteban Trueba, da mulher, dos filhos legítimos e naturais, e dos netos vai levar-nos do começo do século até à actualidade; é toda uma dinastia de personagens à volta das quais a narrativa vai gravitando sem perder de vista os outros - mesmo depois de mortos. O temperamento colérico do fundador, a hipersensibilidade fantasista da sua mulher e a evolução social do país - que reflecte e pode muito bem simbolizar qualquer país latino-americano - tornam difíceis as relações familiares, marcadas pelo drama e a extravagância e conduzem a uni final surpreendente e cruel, que deixa no entanto aberto o caminho de uma trabalhosa reconciliação.

No panorama da actual literatura hispano-americana, nennhum nome de mulher tinha conseguido até agora ocupar um lugar cimeiro. Faltava pois uma romancista. A impecável desenvoltura estilística, a lucidez histórica e social e a coerência estética, patentes em A Casa dos Espíritos fazem do primeiro romance de Isabel, um livro inesquecível.






Fonte: www.wook.pt

Autor da Semana: Franz Kafka

Franz Kafka nasceu em 3 de Julho de 1883, em Praga, cidade que na época pertencia à monarquia austro-húngara. Filho de um abastado comerciante judeu, Kafka cresce sob as influências de três culturas: a judaica, a tcheca e a alemã.

Formado em direito, trabalhou sempre em cargos burocráticos. Solitário, com a vida afectiva marcada por irresoluções e frustrações, Kafka nunca atingiu fama ou fortuna com os seus livros, na maioria editados postumamente.

A Metamorfose (1916) narra o caso de um homem que acorda transformado em gigantesco inseto; O Processo (1925) conta a história de um certo Josef K., julgado e condenado por um crime que ele mesmo ignora; n'O Castelo (1926), o agrimensor K. não consegue ter acesso aos senhores que o contrataram. Essas três obras-primas definem não apenas boa parte do que se conhece até hoje como "literatura moderna", mas o próprio carácter do século: "kafkiano".

Autor de várias colectâneas de contos, Kafka escreveu também a avassaladora Carta ao Pai (1919) e centenas de páginas de diários. Deixou inacabado o romance Amerika.

Morreu no dia 3 de Junho de 1924, num sanatório perto de Viena, onde estava internado com tuberculose.






segunda-feira, 18 de maio de 2009

"As Intermitências da Morte", de José Saramago

Sinopse: «No dia seguinte ninguém morreu». Assim começa este novo romance de José Saramago. Que a morte tem as suas extravagancias, já todos nós sabíamos. Mas que se cansasse de exercer a sua principal actividade, nunca nos passou pela cabeça!
Imagine que, de um momento para o outro, num certo país, as pessoas deixam de morrer. Estarão os líderes e os habitantes desse país preparados para gerir a vida eterna e as suas consequências? Colocada a hipótese, o autor desenvolve-a em todas as suas vertentes, e o leitor é conduzido com mão de mestre numa ampla divagação sobre a vida, a morte, o amor, e o sentido, ou a falta dele, da nossa existência.



Devido a um contrato de leitura que temos que fazer para a aula de Português, interrompi a leitura do Eldest para ler “As Intermitências da Morte” de José Saramago (depois de ler o “Memorial do Convento” fiquei fã deste autor).


Neste livro, a morte resolve tirar umas férias pois acha que os humanos são muito injustos com ela, e isso vai causar muitos problemas naquele país. E, apesar de ao princípio não nos apercebermos, este livro é um romance daquele que nos faz sorrir quando lemos o final.
Adorei a mensagem que o livro passa e acho que todos deviam ler este livro para tomarem consciência de como é mesmo a mentalidade humana.

Margarida Pires

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Feira do Livro e Exposição BC

Juntamente com a Feira do Livro, fizémos ainda uma exposição para mostrar à comunidade escolar o que é o BookCrossing, uma vez que temos estado bastante mais integrados na rede, estando inscritos já em alguns BookRings, o que nos tem entusiasmado bastante.



Boas leituras!!

Visita à Biblioteca José Saramago de Beja - fotos







"Tudo O Que Ele Sempre Quis", de Anita Shreve

Sinopse: Um casamento junta sempre duas histórias, dois passados. Esta constatação é talvez tardia para o marido de Etna: um homem cuja obsessão com a sua jovem mulher tem início no momento em que se conhecem – e em que ele a ajuda a escapar a um incêndio - e culmina numa união ensombrada por segredos, traição e pelo fogo avassalador de uma paixão não correspondida.Ao académico Nicholas Van Tassel bastou ver Etna Bliss uma única vez para saber que chegara o momento de abandonar a sua condição de solteirão inveterado. Mas a frieza física e emocional com que é brindado é um prenúncio de tragédia: Etna deseja liberdade e independência, Nicholas quer a jovem exclusivamente para si… E quando descobre que, ainda que tivesse conseguido casar com ela, não teria chegado sequer a conquistá-la, vai ser o lado mais sombrio da sua personalidade a decidir o que fazer a seguir.Escrito com a inteligência e a graça que são já habituais na autora, Tudo o que Ele Sempre Quis é uma arrepiante história sobre desejo, ciúme, perda e os perigos que o fogo – o figurativo e o literal – sempre arrasta consigo.

Não foi dos meus livros preferidos, mas acabou por ser uma leitura agradável, que sabe sempre bem antes de adormecer. Pela forma como está a sinopse, pensei que a descrição do ciúme e obcessão de Nicholas Van Tassel por Etna fosse mais impressionante, mas não foi nada de invulgar. No entanto, no final do livro fiquei com um pouco de "pena" de Nicholas e a pensar na sua história. É certo que ele é que devia ter controlado a sua obcessão, mas será que quando amamos alguém de verdade temos essa capacidade?? A questão fica em aberto...



Ana

terça-feira, 12 de maio de 2009

Visita à Sala do Conto, na Biblioteca José Saramago de Beja

Acabamos de chegar da Biblioteca José Saramago de Beja.

Desenvolvemos uma actividade destinada aos alunos do 3º e 4º anos em que estes tinham que completar uma história misturando vários contos da Disney. Escolhemos a que achámos melhor, juntamente com a nossa Directora de Turma e professora de Português, e proporcionámos à turma vencedora uma tarde na Sala do Conto na Biblioteca de Beja.

Ficámos bastante contentes, até porque os meninos estavam muito entusiasmados. Pensámos, inclusive, em convidar uma pessoa da biblioteca para desenvolver uma actividade na nossa escola, uma vez que eles têm projectos dirigidos a diferentes faixas etárias.

Em breve divulgaremos as fotos.

Boas leituras!!

Feira do Livro



Aproveitamos desde já para agradecer a ajuda do Prof. José Filipe e da Prof. Sandra Costa, assim como a papelaria e livraria "Vemos, Ouvimos e Lemos" e para promover, tal como eles fizeram connosco, o blog da BibliotecaPortaberta.
Boas leituras!!

Livro da Semana: "Equador", de Miguel Sousa Tavares

Quando naquela manhã chuvosa de Dezembro de 1905, Luís Bernardo é chamado por El-Rei D. Carlos a Vila Viçosa, não imaginava o que o futuro lhe reservava. Não sabia que teria de trocar a sua vida despreocupada na sociedade cosmopolita de Lisboa por uma missão tão patriótica quanto arriscada na distante ilha de S. Tomé. Não esperava que o cargo de governador e a defesa da dignidade dos trabalhadores das roças o lançassem numa rede de conflitos e interesses com a metrópole. E não contava que a descoberta do amor lhe viesse mudar a vida. Equador é um retrato brilhante da sociedade portuguesa nos últimos dias da Monarquia, que traça um paralelo entre os serões mundanos da capital e o ambiente duro e retrógrado das colónias. É com esta história admirável, comovente e perturbadora, que Miguel Sousa Tavares inaugura a sua incursão no romance.

"As ilhas são lugares de solidão e isso nunca é tão nítido como quando partem os que apenas vieram de passagem e ficam no cais, a despedir-se, os que vão permanecer. Na hora da despedida, é quase sempre mais triste ficar do que partir."






Fonte: Wook

Autor da Semana: Patrick Süskind

Patrick Süskind nasceu em Ambach am Starnberger See, Munique, a 26 de Março de 1949 e é um escritor alemão.

Filho do escritor e jornalista,W. E. Süskind, estudou História Moderna e Medieval na Universidade de Munique e em Aix-en-Provence de 1968 a 1974. Nos anos oitenta, Süskind trabalhou como escritor, para "Kir Royal", "Monaco Franze" e outros. Ele é o autor do internacionalmente aclamado best-seller "O Perfume: história de um assassino" de 1985. Também é autor de "O Contra-baixo" (1981), monólogo de teatro, "A Pomba" (1988), novela, "A História do Senhor Sommer" (1991), conto ilustrado por Sempé, e "Um Combate e Outras Histórias" (1996), contos.


Patrick Süskind vive em Ambach, Alemanha, raramente dá entrevistas ou aparece em público, preferindo levar uma vida isolada.

Um filme, baseado no livro "O Perfume", realizado por Tom Tykwer, estreou em 14 de Setembro de 2006.




Kurt Cobain era um fã de Patrick Süskind, principalmente do livro "O Perfume", no álbum "In Utero" de 1993, a música "Scentless Appretince" foi baseada nesse livro.




Fonte: Wikipédia

sexta-feira, 8 de maio de 2009

BookCrossing


O BookCrossing tem-se revelado uma enorme surpresa para nós. Ao início estávamos bastante entusiasmados mas não nos conseguimos "integrar". Pelas visitas que fizemos ao site começámos a perceber a quantidade de livros que era possível ler através da rede e o entusiasmo voltou. O primeiro passo foi inscrevermo-nos no BookRing do livro "Salva-me", de Guillaume Musso. Agora fica a promessa de que mesmo no final do projecto continuaremos ligados, mesmo individualmente, ao BookCrossing.



Já agora, podem visitar o blog da I Convenção Nacional de BookCrossing em Portugal, que se realizará já este fim-de-semana.



Boas leituras!!

terça-feira, 5 de maio de 2009

Livro da Semana: "Salva-me", de Guillaume Musso


Uma história encantadora repleta de fantasia, "suspense" e amor. O insólito encontro entre Juliette e Sam é explosivo e mágico. Mas o apaixonado fim-de-semana que vivem juntos é maculado pela mentira. Sam, viúvo, diz ser casado; Juliette, empregada num café, diz-se advogada. Juliette tem de regressar a Paris e Sam acompanha-a ao aeroporto. É o instante decisivo em que o destino deles pode mudar, mas nem um nem outro ousa pronunciar as palavras necessárias. Meia hora mais tarde, chega a notícia: o avião de Juliette explodiu em pleno voo. Sam é agora um homem desesperado. Está longe de imaginar que a história deles não acaba aqui...



Autor da Semana: Edgar Allan Poe


Edgar Allan Poe nasceu no seio de uma família escocesa-irlandesa, filho do actor David Poe Jr. e da actriz Elizabeth Arnold Hopkins Poe.

Depois de frequentar a escola de Misses Duborg em Londres, e a Manor School em Stoke Newington, Poe regressou com a família Allan a Richmond em 1820, e registou-se na Universidade da Virgínia, em 1826, que viria a frequentar durante um ano apenas. Desta viria a ser expulso graças ao seu estilo aventureiro e boémio.


Na sequência de desentendimentos com o seu padrasto, relacionados com as dívidas de jogo, Poe alistou-se nas forças armadas, sob o nome Edgar A. Perry, em 1827. Nesse mesmo ano, Poe publicou o seu primeiro livro, "Tamerlane and Other Poems".


Poe acabaria por casar, em segredo, com a sua prima Virgínia, de treze anos, em 1836.


Em 1837, Poe mudou-se para Nova Iorque, onde passaria quinze meses aparentemente improdutivos, antes de se mudar para Filadélfia, e pouco depois publicar "The Narrative of Arthur Gordon Pym". No verão de 1839, tornou-se editor assistente da Burton's Gentleman's Magazine, onde publicou um grande número de artigos, histórias e críticas. Nesse mesmo ano, foi publicada, em dois volumes, a sua colecção "Tales of the Grotesque and Arabesque", que, apesar do insucesso financeiro, é apontada como um marco da literatura norte-americana.



Durante este período, Virgínia Clemm soube sofrer de tuberculose, que a tornaria inválida e acabaria por levá-la à morte. A doença da mulher acabou por levar Poe ao consumo excessivo de álcool e, algum tempo depois, este deixou a Burton's Gentleman's Magazine para procurar um novo emprego.


No dia 3 de Outubro de 1849, Poe foi encontrado nas ruas de Baltimore, com roupas que não eram as suas, em estado de delirium tremens, e levado para o Washington College Hospital, onde veio a morrer apenas quatro dias depois. Poe nunca conseguiu estabelecer um discurso suficientemente coerente, de modo a explicar como tinha chegado à situação na qual foi encontrado. As suas últimas palavras teriam sido, de acordo com determinadas fontes, «It's all over now: write Eddy is no more», em português, «Está tudo acabado: escrevam Eddy já não existe».




Poe é considerado, juntamente com Jules Verne, um dos precursores da literatura de ficção científica e fantástica modernas. Algumas das suas novelas, como "The Murders in the Rue Morgue", "The Purloined Letter" e "The Mystery of Marie Roget", figuram entre as primeiras obras reconhecidas como policiais, e, de acordo com muitos, as suas obras marcam o início da verdadeira literatura norte-americana.


Diferentemente da maioria dos autores de contos de terror, Poe usa uma espécie de terror psicológico nas suas obras, os personagens oscilam entre a lucidez e a loucura, quase sempre cometendo actos infames ou sofrendo de alguma doença.


Fonte: Wikipédia

terça-feira, 28 de abril de 2009

Livro da Semana: "A Casa na Praia", de Anita Shreve

Quando casou, Sydney estava perdidamente apaixonada pelo marido Andrew, um piloto de aviões carismático e aventureiro. Mas o medo de o perder num acidente de aviação quase a leva à loucura, deixando-lhe apenas uma alternativa: o divórcio.Quando voltou a casar, Sydney acreditou que nada tinha a temer, afinal Daniel era um jovem e pacato médico. Mas o destino prega-lhe uma partida, e o seu segundo marido morre subitamente no hospital onde trabalha. Desencantada e sem rumo, a jovem viúva aceita um emprego de Verão na magnífica costa do New Hampshire. O que ela não podia imaginar era que o amor ainda lhe reservava grandes surpresas. Envolvida num surpreendente triângulo amoroso feito de velhas rivalidades e segredos amargos, é obrigada a ver para além das aparências e a questionar as suas opções do passado.


Porque o coração obedece a regras indecifráveis, Sydney descobrirá por si própria que amar é o maior e o mais compensador de todos os riscos...






Fonte: Portal da Literatura

Autor da Semana: Tiago Rebelo

Tiago Rebelo, nascido a 02-03-1964, em Lisboa, é casado e tem três filhos. Jornalista há dezanove anos, iniciou a sua actividade profissional em 1986 na Rádio Renascença. Actualmente é um dos editores executivos da TVI, onde está desde 1994. Tem publicados nove romances e quatro histórias para crianças, entre eles O Tempo dos Amores Perfeitos, em 2006, O Último Ano em Luanda, em 2008, e Eu e as Mulheres da Minha Vida, em 2009.


segunda-feira, 27 de abril de 2009

"A Lâmpada de Aladino", de Luis Sepúlveda

Sinopse: Ao longo das histórias que compõem este livro reencontramo-nos com esse território de sentimentos que fizeram do autor um dos nomes mais apreciados da literatura da América Latina. Enquanto os nomearmos e contarmos as suas histórias, os nossos mortos nunca morrem, diz a certa altura um personagem. Foi precisamente para resgatar do esquecimento momentos, lugares e existências irrepetíveis que Luis Sepúlveda escreveu A Lâmpada de Aladino, uma lâmpada de onde surgem, como por arte de magia, treze contos magistrais.
A Alexandria de Kavafis, o Carnaval em Ipanema, uma cidade de Hamburgo fria e chuvosa, a Patagónia, Santiago do Chile nos anos sessenta, a recôndita fronteira do Peru, Colômbia e Brasil, são alguns dos cenários deste livro. Nas suas histórias, cada uma delas um romance em miniatura, Luis Sepúlveda dá vida a personagens inesquecíveis, prendendo o leitor da primeira à última página.




Outra decepção. Não sei se pelo título ou pela forma como encarei a sinopse, sempre pensei que este livro fosse daqueles em que ficaríamos a acreditar em algo mágico. Mas não. São 13 contos independentes uns dos outros, muitos deles não me despertaram qualquer interesse.

Li o livro rapidamente por querer "ver-me livre" dele e se não fosse o gosto pelo acto de ler em si, tinha-o deixado logo de lado.

Enfim, sinto falta dos meus romances que me fazem chorar, por isso a próxima leitura será mesmo Nicholas Sparks ou algo do género. Preciso de desanoviar!! Além disso, temos que ler um livro para apresentar à turma na aula de Português e tinha pensado em "O Sétimo Selo", de José Rodrigues dos Santos, por isso tenho arranjá-lo, uma vez que não há nem Biblioteca Municipal nem na biblioteca da escola.

Boas leituras!!



Ana

domingo, 26 de abril de 2009

Novo prémio


Agradecemos à Nefertiri o nosso 6º prémio!! Seguem, então as regras:


1. Aceitar o prémio, publicá-lo no blog juntamente com o nome da pessoa que vos premiou e o link do seu blog.


2. Passar o prémio a outros 15 blogs e contactá-los a fim destes saberem que ganharam o prémio.



Assim, são nossos escolhidos:



Boas leituras!!

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Dia Mundial do Livro

Tal como planeado, hoje distribuímos alguns marcadores de livros pela nossa escola ligados à comemoração do Dia Mundial do Livro. Ei-los:

"Homem na Escuridão", de Paul Auster

Sinopse: E se a América não estivesse em guerra com o Iraque mas consigo própria? Nesta América, as Torres Gémeas não caíram e as eleições presidenciais de 2000 conduziram à secessão, com estado após estado a abandonar a união e uma sangrenta guerra civil a instalar-se. Este mundo paralelo é criado pela mente e coração perturbados de August Brill, um crítico literário vítima de insónias. Com 72 anos, Brill está a recuperar de um acidente de viação em casa da filha, no Vermont e, para afastar recordações que preferia esquecer – a morte da mulher e o violento assassinato do namorado da neta –, conta histórias a si próprio. Gradualmente, o que Brill tenta desesperadamente impedir insiste em ser contado. Com a neta a juntar-se-lhe de madrugada, ele arranja finalmente coragem para revisitar os seus piores dramas.
Chocante e apaixonante, Homem na Escuridão é o exemplar romance do nosso tempo, um livro que nos obriga a confrontar a escuridão da noite, celebrando a existência das pequenas alegrias do dia-a-dia num mundo capaz da mais grotesca violência.



Estava à espera de muito melhor deste livro, ou pelo menos de algo diferente. Ao início tornou-se um bocado aborrecido. A história não me despertava qualquer interesse pois baseava-se num homem que estava a inventar uma história uma vez que não conseguia dormir. A parte que gostei mais de ler foi mesmo o final, em que são retratados alguns episódios da vida de August Brill e da sua família. Esperava algo mais direccionado para a América e para as questões políticas. No entanto, o livro era relativamente pequeno, o que facilitou a sua leitura.






Ana

terça-feira, 21 de abril de 2009

Festa do Livro na Fnac




Como o Projecto /Lê/ está sempre presente, aproveitámos o facto de nos encontrarmos em visita de estudo em Lisboa para darmos um pulinho à Fnac e ver como estava a Festa do Livro.




É um evento que consideramos muito importante, sendo uma forma de atenuar a crise ligada à compra de livros. Ainda assim, consideramos que as pessoas que gostam realmente de ler podem sempre "dar um jeitinho" ou utilizar as bibliotecas.




Estas promoções começaram no dia 16 deAbril e serão estendidas até 6 de Maio, havendo livros específicos em cada semana com descontos até 40%, portes grátis em encomendas de livros com valor superior a 40€, oferta exclusiva para aderentes de um saco de pano para encomendas de livros de valor superior a 20€ e mais de 1000 livros de oferta para encomendas de livros de valor superior a 20€.




Assim, aconselhamos que visitem a Fnac mais próxima e aproveitem, porque ofertas destas não há muitas vezes.




Boas leituras!!

"A Alquimia do Amor", de Nicholas Sparks

Sinopse: O prolongado namoro dos avós de Nicholas Sparks, uma união que durou quase sete décadas, foi sem dúvida uma das experiências de vida que mais o impressionaram, e que ele já nos transmitiu em O Diário da Nossa Paixão. Mas o tema do amor comprometido, generoso e tolerante, que leva as pessoas a darem o melhor de si próprias e que supera o desgaste do tempo, não deixou de fasciná-lo. Este novo romance tem por base o que poderíamos considerar uma variante do mesmo tipo de relação entre um homem e uma mulher.



«Sparks está no seu melhor nesta ternurenta história de amor sobre um herói cheio de defeitos que tenta corrigir os seus erros.» - Publishers Weekly

Adorei este livro porque nos mostra a verdadeira essência do amor e que, se nos esforçármos, este pode durar para sempre. E Wilson Lewis é um perfeito exemplo disso, pois, ao perceber que o seu casamento se está a desmoronar, vai fazer de tudo para reconquistar a mulher. Tudo mesmo!

Até eu que sou uma autêntica romântica não estava à espera daquele final. Deixou-me mesmo surpreendida.

Penso que é indicado não só a todos os que acreditam no amor, mas também àqueles que perderam a esperança numa relação, pois de certeza que vão pensar duas vezes antes de desistir dela.





Margarida

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Livro da Semana: "Nómada", de Stephenie Meyer


Melanie Stryder recusa-se a desaparecer.O nosso Mundo foi invadido por um inimigo invisível. Os Humanos estão a ser transformados em hospedeiros destes invasores, com as suas mentes expurgadas, enquanto o corpo permanece igual.Quando Melanie, um dos poucos Humanos "indomáveis", é capturada, ela tem a certeza de que chegou o fim. Nómada, a Alma invasora a quem o corpo de Melanie é entregue, foi avisada sobre o desafio de viver no interior de um humano: emoções avassaladoras, recordações demasiado presentes. Mas existe uma dificuldade com que Nómada não conta: o anterior dono do corpo combate a posse da sua mente.Nómada esquadrinha os pensamentos de Melanie, na esperança de descobrir o paradeiro da resistência humana. Melanie inunda-lhe a mente com visões do homem por quem está apaixonada – Jared, um sobrevivente humano que vive na clandestinidade. Incapaz de se libertar dos desejos do seu corpo, Nómada começa a sentir-se atraída pelo homem que tem por missão delatar. No momento em que um inimigo comum transforma Nómada e Melanie em aliadas involuntárias, as duas lançam-se numa busca perigosa e desconhecida do homem que amam.

Autor da Semana: Luis Sepúlveda

Luis Sepúlveda é um escritor, realizador, jornalista e activista de nacionalidade chilena. Nasceu em Ovalle, no Chile, em 4 de Outubro de 1949. Reside actualmente em Gijón, na Espanha, após viver entre Hamburgo e Paris. Em 1969 vence o “Prémio Casa das Américas” pelo seu primeiro livro “Crónicas de Pedro Nadie”, e também uma bolsa de estudo de cinco anos, na Universidade Lomonosov de Moscovo. No entanto só ficaria cinco meses na capital soviética, pois foi expulso da Universidade por “atentado à moral proletária”, causado, segundo a versão oficial, por Luís Sepúlveda manter contactos com alguns dissidentes soviéticos. De regresso ao Chile é expulso da Juventude Comunista, adere ao Partido Socialista Chileno e torna-se membro da guarda pessoal do presidente Salvador Allende. No golpe militar do dia 11 de Setembro de 1973, que levou ao poder o ditador general Augusto Pinochet, Luís Sepúlveda encontrava-se no Palácio de La Moneda a fazer guarda ao Presidente Allende. Membro activo da Unidade Popular chilena nos anos 70, teve de abandonar o país após o golpe militar de Pinochet. Viajou e trabalhou no Brasil, Uruguai, Paraguai e Peru. Viveu no Equador entre os índios Shuar, participando numa missão de estudo da UNESCO. Sepúlveda era, na altura, amigo de Chico Mendes, herói da defesa da Amazónia. Dedicou a Chico Mendes "O Velho que Lia Romances de Amor", o seu maior sucesso. Perspicaz narrador de viagens e aventureiro nos confins do mundo, Sepúlveda concilia com sucesso o gosto pela descrição de lugares sugestivos e paisagens irreais com o desejo de contar histórias sobre o homem, através da sua experiência, dos seus sonhos, das suas esperanças.




Bibliografia:
As Rosas de Atacama
Contos Apátridas
Diário de um Killer Sentimental
Encontro de Amor num País em Guerra
O General e o Juiz
História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar
Histórias do Mar
Mundo do Fim do Mundo
Nome de Toureiro
O Velho que Lia Romances de Amor
Patagónia Express
O Poder dos Sonhos
Os Piores Contos dos Irmãos Grim
Uma História Suja
Crónicas do Sul
A Lâmpada de Aladino









Fonte: Wikipédia

Perspectivas

O Projecto /Lê/ voltou e, tal como prometido, com novas ideias.
Além de algumas alterações no nosso portefólio, temos já agendada a visita à Biblioteca José Saramago de Beja com a turma vencedora do concurso de histórias realizado com os alunos do 1º ciclo, a qual iremos divulgar assim que o vencedor estiver decidido. A visita será no dia 12 de Maio.
Nos dias 13, 14 e 15 de Maio realizaremos na nossa escola uma Feira do Livro e aproveitamos, desde já, para agradecer ao Prof. José Filipe toda a ajuda que nos tem dado.
O Dia Mundial do Livro, dia 23 de Abril, também não será esquecido, como é óbvio! Iremos distribuir na escola vários marcadores relativos ao dia.
Os preparativos para a apresentação final também já estão a decorrer. Contactámos, inclusivé, alguns escritores para estarem presentes (José Rodrigues dos Santos, José Luís Peixoto, Isabel Alçada, Ana Maria Magalhães, entre outros) mas, até agora, ainda não recebemos nenhuma resposta positiva. No entanto, todos eles têm sido bastante simpáticos e prestáveis na sua resposta.
Aproveitamos também para informar a Dreamfinder que o prémio relativo ao passatempo "Amo-te" seguiu hoje no correio. Pedimos desculpa pela demora, mas temos tido imenso trabalho.
De momento, estas são as nossas perspectivas para o 3º período. No entanto, aceitamos sempre sugestões.
Boas leituras!!

"A Conspiração", de Dan Brown

Sinopse: O Presidente Zachary Herney está a lutar por uma duríssima reeleição. O seu opositor, o Senador Sedgwick Sexton, é um homem com amigos poderosos e uma missão: privatizar a NASA e reduzir as suas despesas. O Senador tem numerosos apoiantes que beneficiarão com a mudança, especialmente depois do embaraçoso episódio de 1996, em que o governo de Clinton foi informado pela NASA de que havia provas de existência de vida noutros planetas.
Lutando para sobreviver a uma série de erros que ameaçam a sua imagem política, a NASA faz uma descoberta atordoadora: um estranho meteorito enterrado no Árctico. O Presidente é informado de que o objecto encontrado vai ter implicações determinantes no programa espacial americano. Contudo, dada a reputação vacilante da agência espacial norte-americana, será a descoberta válida ou não?
Rachel Saxton, uma investigadora dos Serviços Secretos da Casa Branca, é destacada para confirmar a autenticidade do achado. Rachel tem como missão resumir relatórios complexos em notas de uma página. Neste caso o Presidente precisa dos seus dados antes da última declaração que fará ao povo americano e que será decisiva na sua reeleição.
Acompanhada por uma equipa de especialistas, incluindo o carismático oceonógrafo Michael Tolland, Rachel descobre o impensável: provas de um embuste científico, de uma cilada que ameaça mergulhar o mundo em controvérsia. Mas antes de conseguir contactar o Presidente, Rachel e Michael são vítimas de uma perseguição sem tréguas ao longo do Árctico, refugiam-se num submarino nuclear e acabam por ser aprisionados num pequeno barco na costa de New Jersey, enquanto a capital norte-americana ferve de expectativas relativamente a mais uma fraude científica e os ânimos se exaltam nas antecâmaras do poder no interior da ala esquerda.
Aclamado pela mestria e genialidade com que relaciona História, Ciência e Política, Dan Brown destaca-se num novo romance em que nada é o que parece e ao virar de cada página nos espera uma fabulosa surpresa.



Foi, sem dúvida, um dos meus livros preferidos! Ao início não o li com tanto entusiasmo porque tinha em mente ler antes a "Fortaleza Digital", mas na recta final cheguei a ler mais de 100 páginas por dia, algo que raramente faço. É daqueles livros que nos envolve por completo na história, como se nos transportasse para o interior dela. Dei por mim a ter medo quando as personagens tinham medo, a ficar espantada quando elas ficavam, contentes, tristes... O facto de ter capítulos pequenos e de nos deixar sempre curiosos em relação ao que irá acontecer a seguir faz da leitura deste livro ainda mais alucinante. Foi uma história que me fez perceber o que um político, como o senador Sexton, é capaz de fazer de modo a chegar à presidência dos EUA e, consequentemente, ser o homem mais poderoso do mundo. É também rico em conteúdos científicos, o que desperta a minha atenção. Fiquei fã de Dan Brown, e o próximo será mesmo "Fortaleza Digital".


Ana

"O Homem Com Dois Corações", de Martin Cruz Smith

Sinopse: Tinha tudo para ser um americano perfeito. Excepto o coração… 1922, Tóquio. Harry Niles podia ser apenas mais um rapaz americano a viver num país exótico. Na verdade, tinha tudo para ser um americano perfeito: criado por pais missionários, fora educado para ser um cristão honrado e ambicionar o típico estilo de vida da solarenga costa da Califórnia. Porém, entregue a si próprio desde muito cedo devido à incessante actividade dos pais, Harry aprende a arte da sobrevivência nos salões de baile e de póquer do sombrio submundo de Tóquio. Não obstante o à-vontade com que se move em território tão hostil, nunca deixará, no entanto, de ser um gaijin, um estrangeiro, e quando a essa característica se alia uma propensão para esquemas obscuros, a atenção da polícia japonesa é mais do que provável.

Achei este livro muito interessante em vários aspectos. Em primeiro lugar, é conveniente salientar que este thriller se baseia numa época de grande agitação para tanto para o Japão como dos Estados Unidos da América. Gostei do modo como o autor nos dá a conhecer as culturas de ambos os países, tão distintas, através de uma única personagem: Harry. Ao longo de todo o livro, Harry aparece muitas vezes dividido entre estes dois países, mas acaba sempre por se decidir pela cultura/costumes japoneses.Um óptimo livro, de leitura compulsiva, aconselhado vivamente àqueles que são interessados pela cultura dos Estados Unidos da América e o Japão, especialmente no período antes da Segunda Grande Guerra.




João

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Objectivos


Objectivo atingido: 19 no 2º período. O Projecto /Lê/ continua a dar frutos (e dos bons!!).




Boas leituras!

sexta-feira, 27 de março de 2009

Férias


O Projecto /Lê/ vai de férias, mas promete voltar depois da Páscoa com mais novidades.


Boa Páscoa e, claro, Boas Leituras!!

quarta-feira, 25 de março de 2009

"Crepúsculo", de Stephenie Meyer

Sinopse: A respeito de três aspectos, eu estava absolutamente segura. Em primeiro lugar, Edward era um vampiro. Em segundo lugar, uma parte dele - e eu não sabia qual era o poder dessa parte - ansiava pelo meu sangue. Por fim, em terceiro lugar, eu estava incondicional e irrevogavelmente apaixonada por ele.


"Crepúsculo" foi um livro que me marcou pelo facto de se provar que o amor pode ultrapassar todos os obstáculos. Edward era um vampiro e podia não resistir e matar Bella, no entanto, o amor que sentia por ela foi mais forte que isso. Quanto a Bella, também por amá-lo, não se afastou, mesmo depois de saber que o homem que amava era, afinal, um vampiro.


Para pessoas que acham uma futilidade estes livros de fantasia talvez não seja o livro ideal, mas penso que todos os amantes de romances irão gostar. Falo por mim, também não sou muito apologista de fantasias como estas de vampiros, mas adorei o livro, prende-nos do princípio ao fim!


Agora o próximo passo será mesmo o filme.


Deixo agora um pequeno excerto:




"- Estavas a dormir profundamente. Não perdi nada. - Os seus olhos cintilaram. - Já falaras antes.


Lamentei-me.


- O que é que ouviste?


Os seus olhos dourados tornaram-se muito afáveis.


- Disseste que me amavas.


- Já sabias isso - relembrei-lhe, afastando a cabeça.


- Mas foi igualmente agradável ouvir.


Escondi o rosto no seu ombro.


- Amo-te - sussurrei.


- Agora, és a minha vida - retorquiu simplesmente.


Não havia nada mais a dizer naquele momento."





Ana

terça-feira, 24 de março de 2009

Livro da Semana: "O Alquimista", de Paulo Coelho


Quando alguém quer uma coisa, todo o Universo conspira para que possa realizá-la.
De tempos a tempos, surge um livro que muda a vida dos seus leitores para sempre. O Alquimista é um desses clássicos modernos, a par de obras como o Principezinho, de Saint-Exupéry, e Fernão Capelo Gaivota, de Richard Bach. Os mais de 500 000 exemplares vendidos em Portugal, e mais de 27 milhões em todo o mundo, firmaram a consagração literária de Paulo Coelho como um dos grandes autores do nosso tempo. Conta a história de Santiago, um pastor andaluz que abandona a sua terra natal e viaja pelo Norte de África em busca de uma quimera - um tesouro enterrado sob as pirâmides. Nesta viagem, conhece uma jovem cigana, um homem que diz ser rei e um alquimista, que o vão ajudar na sua busca. Ninguém sabe exactamente o que é um tesouro nem se Santiago conseguirá ultrapassar todos os obstáculos da sua travessia do deserto. Mas aquilo que começa por ser uma aventura por locais exóticos para procurar a riqueza material, acaba por se transformar numa viagem de descoberta de si mesmo e da riqueza da alma humana. O Alquimista recria um símbolo intemporal que nos recorda a importância de seguir os nossos sonhos e ouvir a voz do coração.




Autor da Semana: Margarida Rebelo Pinto

O tempo não se perde, gasta-se.

Nascida em Lisboa em 1965, Margarida Rebelo Pinto revelou desde cedo uma enorme paixão pela escrita. Licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas na Universidade Clássica e após uma breve passagem como copywriter, pelo mundo da publicidade, aos 22 anos, iniciou a sua actividade jornalística passando por publicações como “O Independente”, “Sete”, “Marie Claire” e “Diário de Notícias”.Foi repórter do Canal 1 da R.T.P., retomou a crónica “O Meu Pequeno Mundo”, em 1999, na revista Olá do jornal Semanário e tornou-se cronista regular da Elle, colaborando também com outras publicações.

O primeiro romance de Margarida Rebelo Pinto, "Sei Lá", não foi propriamente o seu baptismo na escrita. A autora juntou aos ingredientes de saber estar nos sítios certos, à hora certa e com os amigos necessários, uma história que concretizou na sua cabeça, dando-lhe então em Março de 1999 a forma em livro. Nesse mesmo ano, foi vencedora do prémio literário Fnac 1999, tendo a obra já superado os 130 mil exemplares vendidos.


Actualmente, para além do já referido best-seller, a escritora tem mais dez livros editados: "Herman SuperStar", a biografia do conhecido humorista português; "Não há Coincidências", outro best-seller, editado em Abril do ano 2000 – 33ª edição com mais de 140.000 exemplares vendidos -, "As Crónicas da Margarida", igualmente sucesso de vendas e resultante de uma compilação das crónicas escritas para a revista Olá; "Alma de Pássaro", romance que encerra a trilogia dos anteriores, editado em Fevereiro de 2002, revelando-se mais um verdadeiro best-seller; publicado em Outubro de 2002, "Artista de Circo", o segundo livro de crónicas e mini-ficções; "I'm In Love With a PopStar", um romance sobre a vida atribulada de uma adolescente, "Nazarenas e Matrioskas", uma compilação de textos publicados na imprensa; "Pessoas como Nós", um romance que mais uma vez aborda os problemas da condição humana; "Diário da Tua Ausência", uma sentida carta de amor e, por fim, "Vou contar-te um segredo", uma colecção de textos inéditos.

Enquanto no seu primeiro livro abordava ainda a escrita de uma forma ingénua, no seu terceiro romance, “Alma de Pássaro”, a autora abordou a escrita de uma forma que a colocou como a mais conhecida percursora da nova literatura urbana. Desse modo, entrou para a agência literária Carmen Balcells, representante de autores consagrados como Gabriel Garcia Marquez, Jorge Amado, Isabel Allende, entre outros.


Paralelamente à escrita, Margarida dedicou-se também ao guionismo, sendo ela a autora do telefilme da SIC "Um passeio no parque". Neste momento já está a rever o guião do seu próximo filme, sendo este a adaptação do livro “Sei Lá” para o cinema.

A escritora tem sempre mais ideias e projectos do que tempo para os realizar, é mãe, nada três quilómetros por semana e escreve em qualquer lado, desde que leve um caderno de capa preta.




terça-feira, 17 de março de 2009

Livro da Semana: "Homem na Escuridão", de Paul Auster


E se a América não estivesse em guerra com o Iraque mas consigo própria? Nesta América, as Torres Gémeas não caíram e as eleições presidenciais de 2000 conduziram à secessão, com estado após estado a abandonar a união e uma sangrenta guerra civil a instalar-se. Este mundo paralelo é criado pela mente e coração perturbados de August Brill, um crítico literário vítima de insónias. Com 72 anos, Brill está a recuperar de um acidente de viação em casa da filha, no Vermont e, para afastar recordações que preferia esquecer – a morte da mulher e o violento assassinato do namorado da neta –, conta histórias a si próprio. Gradualmente, o que Brill tenta desesperadamente impedir insiste em ser contado. Com a neta a juntar-se-lhe de madrugada, ele arranja finalmente coragem para revisitar os seus piores dramas.


Chocante e apaixonante, Homem na Escuridão é o exemplar romance do nosso tempo, um livro que nos obriga a confrontar a escuridão da noite, celebrando a existência das pequenas alegrias do dia-a-dia num mundo capaz da mais grotesca violência.
Fonte: Portal da Literatura

Autor da Semana: Miguel Sousa Tavares

Miguel Andresen de Sousa Tavares nasceu no Porto, a 25 de Junho de 1952.

Filho da poetisa portuguesa Sophia de Mello Breyner Andresen e do advogado Francisco Sousa Tavares, começou a sua vida profissional pela advocacia, que abandonou em favor do jornalismo, de onde passa para a escrita literária. Tem uma obra diversificada, essencialmente marcada por crónicas e reportagens, mas fez já outras digressões literárias, nomeadamente com a publicação de um livro infantil, de vários contos e do romance "Equador", um best-seller em Portugal durante 2004 e 2005. Em 2007, publicou seu segundo romance, "Rio das Flores", numa tiragem de 100 mil exemplares.

Colabora actualmente com o jornal "Expresso", com a estação de televisão TVI, onde é comentador. Contribui também, semanalmente, para o jornal "A Bola" onde escreve uma coluna com o nome "Nortada".

Sousa Tavares foi acusado pelo blog freedomtocopy de plágio literário em "Equador", algo a que responde como infundado e totalmente irresponsável: segundo Sousa Tavares, "um dos suspeitos é bloguista do Bloco de Esquerda que gosta de pôr coisas anónimas, por uma questão de traumas pessoais, e o outro é um escritor falhado e invejoso, cuja produção literária consiste em destruir os outros". O livro em questão chama-se no original "Cette nuit la liberté" de Dominique Lapierre e Larry Collins, e foi lido por 35 milhões de leitores, segundo informação da editora Pocket.



Obras:

Equador, 2003
Anos Perdidos, 2001
Não Te Deixarei Morrer, David Crockett, 2001
Sul, Viagens, 2004 (Edição Ampliada)
O Segredo do Rio, 2004
Um Nómada no Oásis
O Dia dos Prodígios
O Planeta Branco, 2005
Rio das Flores, 2007




Fonte: Wikipédia

quarta-feira, 11 de março de 2009

"Um Homem Com Sorte", de Nicholas Sparks

Sinopse: Durante a maior parte da sua vida, Logan Thibault foi um homem que em tudo se podia considerar comum. Porém, nada de comum havia naquilo que estava prestes a acontecer-lhe. Quando encontra uma fotografia de uma mulher nas areias do deserto do Iraque, Logan Thibault passa, inexplicavelmente, a ser um homem com a sorte do seu lado, que sobrevive a situações de indescritível perigo. A fotografia começa a ser encarada como um talismã e, de regresso aos EUA, Thibault não consegue deixar de pensar na mulher que lhe salvou a vida. Mas, assim que a encontra, o segredo que transporta consigo poderá custar-lhe tudo aquilo que lhe é querido.



Este romance mostra-nos que é possível realizar os nossos sonhos quando lutamos para isso, quando não desistimos, mesmo que às vezes não saibamos muito bem quais são esses sonhos.

Logan Thibault partiu em busca da mulher da fotografia, aquela fotografia que lhe tinha salvo a vida no Iraque, mesmo sem saber porquê. Sabia só que era isso que tinha que fazer, porque, na verdade, sentia-se em divida para com aquela misteriosa figura.

Contra todas as expectativas, acabou por encontrá-la, depois de ter percorrido o país de uma costa à outra a pé, apenas com a companhia de Zeus, o seu Pastor-Alemão. Mas acaba por cometer um erro: Thibault não lhe conta o verdadeiro motivo da sua vinda àquela cidade e isso poder-lhe-á ser fatal no desenrolar da história.

Gostei muito deste livro. Faz-nos ver que acreditar é apenas o principio de uma longa jornada a que chamamos vida.



Margarida

terça-feira, 10 de março de 2009

Livro da Semana: "O Espírito do Amor", de Ben Sherwood


O Espírito do Amor é o segundo romance de Ben Sherwood e conta a história de Charlie, um rapaz que aos 15 anos se depara com a morte do seu irmão mais novo, Sam. A amizade entre os dois irmãos é tanta e a dor da perda é tão grande que Charlie promete nunca abandonar o irmão e durante treze anos vivem numa espécie de limbo, onde ambos são felizes sem viverem plenamente. É então que o nosso protagonista conhece Tess, uma jovem navegadora por quem se apaixona e que o faz ver que existe muito mais para viver. Irá Charlie cumprir a promessa feita a Sam ou irá em busca do mundo desconhecido na companhia de Tess? Um romance apaixonante que avivará os sentimentos mais profundos do leitor.



Autor da Semana: Paulo Coelho

O escritor brasileiro Paulo Coelho nasceu em 1947, na cidade do Rio de Janeiro. Antes de dedicar-se inteiramente à literatura, trabalhou como director e actor de teatro, compositor e jornalista.

Escreveu letras de música para alguns dos nomes mais famosos da música brasileira, como Elis Regina e Rita Lee.

O seu fascínio pela busca espiritual, que data da época em que, como hippie, viajava pelo mundo, resultou numa série de experiências em sociedades secretas, religiões orientais, etc.


Em 1982, editou ele mesmo o seu primeiro livro, "Arquivos do Inferno", que não teve qualquer repercussão. Em 1985, participou do livro "O Manual Prático do Vampirismo", que mais tarde mandou recolher, por considerar, segundo suas próprias palavras, ''de má qualidade''.


Em 1986, fez a peregrinação pelo Caminho de Santiago, cuja experiência seria descrita em "O Diário de um Mago". No ano seguinte (1988), publicou "O Alquimista", que - apesar da sua lenta venda inicial, o que provocou a desistência do seu primeiro editor - se transformaria no livro brasileiro mais vendido de todos os tempos. Outros títulos incluem "Brida" (1990), "As Valkírias" (1992), "Na margem do rio Piedra eu sentei e chorei" (1994), "O Monte Cinco" (1996), "Veronika decide morrer" (1998), "Onze Minutos" (2003), "O Zahir" (2005), "A Bruxa de Portobello" (2006) e a compilação de textos "Ser como o rio que flui" (2006), que está publicado apenas em alguns países.


Paulo Coelho vendeu, até hoje, um total de 100 milhões de exemplares e, de acordo com a revista americana "Publishing Trends", foi o autor mais vendido do mundo em 2003, com o livro "Onze Minutos" - apesar do livro ainda não ter sido lançado nos Estados Unidos, Japão, e mais dez países (o lançamento ocorreu apenas em 2004).




Curiosidades:

Paulo Coelho entrou para o Guinness Book of Records como o autor que mais assinou livros em edições diferentes (dia 9 de Outubro 2003, Feira do Livro de Frankfurt). Em Outubro 2008, Paulo entrou pela segunda vez no Guiness Book of Records pelo seu livro "O Alquimista" – livro mais traduzido do mundo.


Uma comunidade norueguesa, Arendal, deu o livro "O Alquimista" a todos os funcionários públicos, como maneira de estimular um novo tipo de pensamento.


O livro "O Alquimista" está adoptado em escolas de mais de trinta países. França, Argentina, México, Espanha, tem edições especiais para alunos.


O seu livro “A Bruxa de de Portobello” resultará num filme que será lançado em 2009.




quarta-feira, 4 de março de 2009

"Morte no Nilo", de Agatha Christie

Sinopse: Um dos mais famosos casos de Hercule Poirot A tranquilidade de um cruzeiro ao longo do Nilo é ensombrada pela descoberta do cadáver de Linnet Ridgeway. Ela era jovem e bela; e tinha tudo… até perder a vida! Hercule Poirot apercebe-se de que, a bordo do navio, todos os passageiros são possíveis assassinos: pelas mais diversas razões, todos tinham algo a apontar a Linnet. Mas quem terá sido levado ao acto extremo de a alvejar? Ainda que tudo aponte para a mesma pessoa, o detective cedo descobre que naquele cenário exótico nada é exactamente o que parece. Morte no Nilo (Death on the Nile) foi originalmente publicado em 1937, na Grã-Bretanha. A edição americana veria a luz do dia em 1938. O filme homónimo, de 1978, conta com um elenco de luxo, de onde se destacam os nomes de Peter Ustinov (naquela que seria a sua primeira interpretação de Hercule Poirot), David Niven, Bette Davis, Angela Lansbury e Maggie Smith.


Para mim, foi o livro que mais gostei da rainha do policial. Já é um lugar-comum existir um misto de adrenalina e mistério nos seus livros, mas este foi especial, porque acabou de uma forma tão complexa e inesperada que não julgava de todo que pudesse acabar assim. Nas últimas páginas, quando tudo parecia acabado, dá-se uma reviravolta e acaba por haver um homicídio e assassinato!
Para os amantes do género, recomendo a leitura do livro, pois deixa-nos colados até que se desvende o grande mistério que Agatha Christie nos proporcionou.


João

Livro da Semana: "Expiação", de Ian McEwan


No dia mais quente do Verão de 1935, Briony Tallis, de 13 anos, vê a irmã Cecilia despir-se e mergulhar na fonte que existe no jardim da sua casa.É também observada por Robbie Turner, um amigo de infância que, à semelhança de Cecilia, voltou há pouco tempo de Cambridge. Depois desse dia, a vida das três personagens terá mudado para sempre. Robbie e Cecilia terão ultrapassado uma fronteira que, à partida, nem sequer imaginavam e tornar-se-ão vítimas da imaginação da irmã mais nova. Briony terá presenciado mistérios e cometido um crime que procurará expiar ao longo de toda a sua vida.

Autor da Semana: Inês Pedrosa

Inês Pedrosa nasceu em Coimbra, a 15 de Agosto de 1962. É uma jornalista e escritora portuguesa.

Publicou o seu primeiro texto na revista "Crónica Feminina" a 4 de Setembro de 1975, quando tinha catorze anos. Licenciou-se em Ciências da Comunicação pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Em 1983 começa a trabalhar n'"O Jornal". No ano seguinte é convidada por António Mega Ferreira para desempenhar as funções de redactora no "Jornal de Letras". Integrou a equipa fundadora do semanário "O Independente", então dirigido por Paulo Portas. Colaborou ainda com a "Revista Ler" e com o semanário "Expresso", onde actualmente é colunista. Trabalhou também como tradutora.

Em 1991 publicou o seu primeiro livro, uma obra de literatura infantil intitulada "Mais Ninguém Tem". No ano seguinte surge o seu primeiro romance, "A Instrução dos Amantes". Foi directora da versão portuguesa da revista "Marie Claire" entre 1993 e 1996.Em 1997 publica "Nas Tuas Mãos", obra vencedora do Prémio Máximo de Literatura.
Em 2005 estreou-se na dramaturgia com 12 mulheres e 1 cadela, cujos textos provêm de dois livros da escritora ("Nas tuas mãos" e "Fica Comigo Esta Noite"), de onde foram adaptadas nove histórias, posteriormente completadas com um texto inédito intitulado "Geração TV". A peça foi encenada por São José Lapa para o Teatro da Trindade.

Feminista convicta, tomou posição pública a favor da despenalização da interrupção voluntária da gravidez e a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo em Portugal.




Fonte: Wikipédia

"Uma Promessa de Amor", de Tiago Rebelo

Sinopse: Lourenço, Luz María e Isabel formam o triângulo amoroso desta história, e são as personagens fulcrais do novo romance de Tiago Rebelo. Lourenço é um jornalista influente e respeitável no meio televisivo nacional. Isabel, um antigo amor que reancendeu em Lourenço a sua chama. Luz María é uma jornalista cubana, de passagem por Portugal em trabalho, mas na verdade em fuga do regime de Fidel, que traz consigo a mãe, recentemente enviuvada, e no ventre o fruto do seu romance com Alex, um músico cubano acomodado ao regime comunista. É durante a sua estadia em Portugal que desenvolve uma grande amizade por Lourenço, que, por sua vez, se encanta com a força e o exotísmo de Luz María, enquanto troca juras de amor eterno com Isabel. Quando o percurso destas três vidas se cruzam, muitas vão ser as questões morais de Lourenço, dividido entre uma promessa de amor jurada a Isabel e a paixão devastadora inspirada por Luz María, mulher misto de coragem, beleza e perdição. A riqueza dos pormenores interage com o enquadramento histórico da narrativa e encontra-se presente no decorrer de todo o romance. Desde a descrição fidelíssima dos ambientes cosmopolitas de Havana – durante a revolução cubana e após a subida de Fidel Castro ao poder - e Lisboa, repletos de imagens vivas, que respiram e agem ao constante movimento e contraste de cor, quase visível, na descrição de tempos – de passagem é também mencionado o trágico acidente que matou a Princesa Diana e o início da Expo’98 - e espaços repletos de figurantes que os enriquecem e que aproximam o universo da narrativa do leitor, conferindo-lhe um carácter mais real.Uma história admirável na riqueza de pormenores, intensa de conteúdo e surpreendente no desfecho, sobre as delicadas linhas que separam a amizade do amor, pela mão de um jovem autor que, com os seus primeiros livros, «Para Ti, Uma Vida Nova» e «Não Vou Chorar O Passado», conquistou a preferência do público leitor.


Com muita pena minha, as expectativas que tinha sobre este livro desvaneceram-se por completo logo nos primeiros capítulos. Com esperança que melhorasse continuei a ler, contudo continuou assim até ao fim.


Sou uma amante dos romances que nos fazem chorar e também de livros relacionados com factos científicos, intercalando-os de modo a descomprimir um pouco com estes romances. Daí o facto de ter escolhido este livro após "A Fórmula de Deus".


No entanto, esta história era demasiado comum e nem me despertou qualquer entusiasmo.



Ana